circulando na vila

Bem vindo a este espaço, que se propõe divulgar as principais notícias do Vila Nova e região. Participe, com sugestões, ideias, fotografias...

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Posto de saúde sem bebedouro no Vila Nova

Uma situação prosaica, mas que faz todo o sentido em dias de calor como os registrados neste mês em Joinville, tem preocupado usuários do posto de saúde do bairro Vila Nova, na rua 15 de Novembro, zona Leste de Joinville. Há cerca de 45 dias, eles estão sem contar com bebedouro no posto. 
Quebrado, o aparelho está todo este tempo aguardando peça para reposição no setor de patrimônio da Secretaria Municipal de Saúde. Não há previsão para o conserto. Na falta do aparelho, o posto oferece a água de galões na sala de espera, mas o recipiente não consegue impedir que o líquido esquente.
A demora para o conserto do bebedouro até já ajudou a criação de hábitos entre os cerca de 200 usuários que passam pelo posto todos os dias. Acompanhado pelo médico da unidade básica depois que fez um transplante de rim, Rogério Rodrigues, 45 anos, não pode ficar sem tomar água. Há um mês, quando foi atendido no posto, percebeu a falta do bebedouro. Nesta terça, resolveu levar uma garrafa de água fria a tiracolo para não passar sede.
O aposentado José Pedro Tamioso, 61, garante que ele e a comunidade ajudaram a pagar o galão há cerca de dez dias, assim como o aparador. A informação foi negada por funcionários do posto, que afirmaram que o galão foi emprestado de um morador. 
A princípio, não há lei em Joinville que exija a manutenção de bebedouros em postos de saúde - ao contrário das normas que obrigam escolas, estabelecimentos de lazer e agências bancárias.
A enfermeira chefe do posto de saúde, Marilda Maestri, explicou que o bebedouro foi recolhido há um mês e meio quando apresentou defeito. Outro equipamento foi colocado no local, mas não dava conta da demanda. A cada três pessoas que pegavam um copo d'água, o sistema travava para recarregar. O jeito encontrado foi comprar o galão. 
— Mas nunca ficou sem água — destacou a enfermeira.
Sobre os galões, ela nega que tenha sido a comunidade a comprar. Um dos três usados para reposição foi emprestado por um morador e os outros estão sendo enviados pela própria secretaria, já que o consumo está muito alto nesta época do ano. Fonte: A Notícia

Nenhum comentário: