circulando na vila

Bem vindo a este espaço, que se propõe divulgar as principais notícias do Vila Nova e região. Participe, com sugestões, ideias, fotografias...

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Carro queimado encontrado na Rua dos Suíços



Um carro, totalmente queimado, foi encontrado, abandonado na manhã desta terça-feira (18), no bairro Vila Nova, em Joinville. Segundo informações preliminares da Polícia Militar, que está a caminho do local, o Gol, com placas ANE 7010 não possui registro de furto.
Segundo o ex-vereador Juarez Pereira, que encontrou o veículo, como a rua está alagada devido à chuva forte desta manhã. "Por isso, não foi possível chegar mais perto do carro para verificar se havia alguma coisa no interior do Gol", diz.
A internauta Samara Carolina Ricardo diz que já havia passado pelo local no domingo à tarde, e visto o carro neste mesmo estado. Por isso, a suspeita é de que o Gol, encontrado na Estrada dos Suíços, lateral da BR-101, próximo à fábrica da Krona, tenha sido incendiado durante a madrugada de domingo. Mas como não há casas na região, ninguém teria visto a ação.
De acordo com informações da PM e dos bombeiros, até a manhã desta terça (18), nenhum chamado foi aberto para atender esta ocorrência. Mas outro incêndio em veículo abandonado foi registrado por volta das 23h45 desta segunda-feira (17), no bairro Saguaçu. Segundo os bombeiros, mil litros de água foram usados para apagar o fogo, num Pálio, que estava abandonado, em chamas, na rua Guilherme Reimer, esquina com a rua Cabral.

Segundo a Polícia Militar, o carro estava estacionado em um terreno baldio e não foi identificar o veículo, que deverá passar por perícia. A suspeita é de que o incêndio tenha sido criminoso.

Fonte: Jornal Notícias da Vila / Foto: Juarez Pereira

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Moradores discutem obra do binário com Prefeitura e Deinfra

Moradores compareceram para ouvir explicações
Os moradores do bairro Vila Nova tiveram na noite desta quinta (13) a oportunidade de sanar dúvidas sobre a implantação do binário da rua 15 de Novembro. Encontro promovido pelo Cavin (Conselho das Associações do Vila Nova) na quadra da Escola Municipal Valentim João da Rocha reuniu representantes do Deinfra (Departamento Estadual de Infraestrutura) e da Prefeitura, que responderam os questionamentos da comunidade.

Entre as principais preocupações, os moradores perguntaram como vai ficar a rua 15 de Novembro após o novo sistema viário entrar em funcionamento, se as ruas transversais entre as duas vias que vão formar o binário serão pavimentadas, como será a sinalização e como vai funcionar o trevo de entrada do binário a partir da Rodovia do Arroz. “O binário não é só o asfalto novo ligando a rua São Firmino e Leopoldo Beninca. Precisamos também saber como vai ficar a rua 15 de Novembro”, observou Adilson Girardi, presidente do Cavin.

De acordo com Vladimir Constante, presidente da Fundação Ippuj (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Joinville), a principal rua do bairro Vila Nova está no programa de recuperação de pavimentação do Badesc (Banco de Desenvolvimento de Santa Catarina). O programa está aprovado e entra, em março, na fase de contratação dos projetos executivos. Além do novo asfalto na 15 de Novembro, a via será repaginada com novas calçadas, revitalização das ciclovia, arborização e nova sinalização.

“Uma série de pontos vai ter medidas moderadoras de tráfego, como ilhas de travessia, estreitamento de pista, semáforos ou mesmo fiscalização eletrônica”, destacou Constante. Até que todas essas melhorias saiam do papel, no entanto, o binário vai funcionar com sinalização temporária na 15 de Novembro. A previsão de entrega no novo sistema viário é para o dia 09 de março, embora possa haver mudanças no cronograma.

“Tem muita coisa para fazer”, considerou. Ademir Machado, superintendente regional do Deinfra, destacou que o Estado está trabalhando para que a obra seja um presente de aniversário para a cidade e moradores do bairro. “Queremos que seja, de fato, um presente agradável, e não um castigo”.

Primeiras reclamações

Enquanto se aguarda as últimas intervenções da obra, como a construção do trevo alemão no encontro da rua São Firmino com a Rodovia do Arroz, drenagem sob a ponte do rio Águas Vermelhas e sinalização do novo trecho, os moradores já notaram problemas de qualidade no que já foi feito. 

Guilherme Schulz, engenheiro civil e morador no loteamento Penski, relatou que ao asfalto sobre a ponte do rio Motucas mostrou fissuras no dia seguinte à pavimentação. Ele ainda criticou a qualidade do concreto usado nas calçadas e problemas com a coluna da ponte. “São problemas técnicos na execução da obra. Nós queremos o binário, mas com material de qualidade”, apontou.

Ademir Machado explicou que vai chamar a empresa responsável pela supervisão da obra e a empreiteira que fez a colocação da ponte para verificar a situação. Uma vistoria no local será programada. Também entre as preocupações dos moradores, as principais ruas entre as vias que farão o binário devem ganhar pavimentação gradativamente, algumas dentro do programa de pavimentação comunitária, com lajotas. Também está em discussão a implantação de mão única nas ruas transversais entre o binário.  
Fonte: Jornal Notícias do Dia/João Batista

Homem morre em acidente na Rodovia do Arroz

Uma colisão frontal entre um carro e uma carreta acabou na morte de Otávio Laurentino da Costa na SC-108, no final da tarde desta quinta-feira (13), em Joinville. O acidente aconteceu no quilômetro 4,1, próximo ao sinaleiro da rua 15 de Novembro, no bairro Vila Nova, zona Oeste da cidade.


A vítima ficou presa às ferragens e foi socorrida por equipes do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e do Corpo de Bombeiros Voluntários de Joinville. O homem foi levado pelo helicóptero Águia, da 2ª Companhia de Aviação da Polícia Militar, para o Hospital Unimed, mas ele não resistiu aos ferimentos e morreu na unidade. Fonte: Jornal Notícias do Dia / Foto: 2ª Cia BAPM/Divulgação/ND

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Prejuízos com o calor podem chegar a 30% na produção agrícola


Prejuízos com o arroz ainda serão contabilizados
O período prolongado de calor combinado com a escassez de água deste início de ano já compromete os resultados agrícolas no meio rural de Joinville. Em culturas como a banana, as hortaliças e a criação de peixes os prejuízos já alcançam 30% da produção. O calor também causa estresse em animais, refletindo diretamente na baixa produtividade de leite, carne, lã e ovos. Nos casos mais extremos, a mortalidade, principalmente de peixes e aves, mas também de suínos. A Fundação 25 de Julho atua na orientação aos produtores e sugere alternativas para amenizar o desconforto calórico.

O engenheiro agrônomo da Fundação 25 de Julho, Ricardo Werner Plothow, explica que com as altas temperaturas os vegetais estão sofrendo principalmente com a falta de água para irrigação. “Ainda é cedo para avaliar as perdas nas as lavouras de arroz, pois este calor tem efeito apenas sobre o desenvolvimento da flor”, diz. “Possíveis perdas só serão verificadas na colheita da lavoura, que ocorre nos próximos 40 dias”, complementa. 

As lavouras de banana estão sofrendo mais pela falta da água do que a altas temperaturas, fazendo com que as frutas fiquem mal formadas, com pouca espessura e amadurecimento precoce.  “Estima-se um prejuízo para o período em torno de 30 a 40%”, projeta Ricardo. As culturas de raiz como o aipim, batata doce, cará, entre outras, estão reagindo bem ao sol intenso, mas as folhosas em lavouras onde a irrigação é deficiente as perdas podem chegar a 30%. Nestes casos a irrigação eficiente ainda é a melhor alternativa.

Os animais de produção também sofrem com o calor. “Eles não se alimentam adequadamente, refletindo diretamente na baixa produção de seus derivados”, relata Júio Cesar Pisa, médico veterinário da Fundação 25 de Julho. A orientação que o veterinário repassa para os produtores é de que proporcionem sombreamento nas pastagens, com água fresca e de fácil acesso. “Para animais que ficam confinados, principalmente bovinos e suínos, a sugestão é dar duchar de água fria diariamente”, orienta.

Na piscicultura, onde 90% da produção são de tilápias, o problema maior é a temperatura da e a oxigenação da água. Apesar das temperaturas na maioria dos casos não serem consideradas letais, o longo período em condições estressantes esgota a tolerância da espécie. “O peixe não se alimenta, trazendo deficiências nutricionais, predispondo às enfermidades e fragilidade ao manejo”, diz o engenheiro agrônomo Roberto Hoppe, gerente de Unidade de Infraestrutura e Treinamento Rural da Fundação 25 de Julho.

As dicas de Hoppe para atenuar as perdas estão todas ligadas à melhoria na qualidade da água. “A renovação da água, além de melhorar sua qualidade ainda pode baixar a temperatura ambiente. Além disso, sugere-se reduzir a quantidade de ração, pois o excedente pode se deteriorar. É possível também o uso de aeradores mecânicos, para melhorar os níveis de oxigênio dissolvido e da resistência do peixe a ambientes adversos”, recomenda.

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Adolescente tem dedo amputado em toboágua de parque aquático em Joinville

Um adolescente de 16 anos teve um dedo de uma das mãos amputado em um toboágua, na manhã deste sábado, em Joinville. O acidente aconteceu em um parque aquático na localidade Piraí, na zona Oeste de Joinville. O rapaz foi levado pela própria família ao Hospital Municipal São José onde foi internado. O garoto já recebeu atendimento e passa bem.

Fonte: Jornal A Notícia

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Assembleia do Cavin define equipes de trabalho e prioridades de pavimentação

Fundação 25 de Julho participou da reunião do Cavin
Em reunião bastante concorrida realizada nesta quinta-feira, às 19h30, no auditório da igreja Medianeira, o Conselho das Associações do Vila Nova definiu juntamente com os moradores as equipes que vão acompanhar as principais ações no bairro durante o ano de 2014 e a metodologia para priorizar as ruas a serem pavimentadas durante o ano. A pauta da assembleia, definida na reunião anterior realizada em dezembro de 2013, contemplou uma palestra de apresentação dos trabalhos realizados pela Fundação 25 de Julho. Representavam a Fundação o gerente Ricardo W. Plotow e o presidente Valério Schiochet, que palestrou aos presentes. Acompanharam toda a reunião, além do presidente da Fundação, a secretária da Subprefeitura Oeste, Elenita Ramos de Souza e Jucélio Gabriel, representando o presidente da Câmara de Vereadores de Joinville, vereador João Carlos Gonçalves.

O segundo ponto da pauta foi a definição das equipes de trabalho, que vão acompanhar obras no bairro durante o ano de 2014. Os grupos ficaram definidos como: Obras complementares do binário; Obras nas áreas da saúde e da educação; Obras para implantação do parte do Piraí e do complexo Mais Cultura; obras de pavimentação nas ruas do bairro Vila Nova. Cada um dos grupos ficou representado por três integrantes da comunidade, que vão acompanhar os processos e trazer relatório na próxima reunião do Cavin, no dia 6 de março, uma quinta-feira.

No terceiro item da pauta o assunto mais esperado da noite: a definição de critérios para a pavimentação de ruas. Moradores do loteamento Penski participaram em massa da reunião. A proposta do Cavin, apresentada pelo presidente Adilson Girardi, foi a de criar itens com pesos diferentes para a escolha das ruas que merecem ser pavimentadas em primeiro lugar. Foram definidos itens como drenagem, adesão, idade da rua, se a rua serve de ligação com o binário, se tem muitos moradores, se serve de linhas de ônibus, se tem equipamentos públicos, entre outros.

Como definição, os moradores concordaram em criar uma tabela de prioridades para definição das ruas que mais precisam de pavimentação. Agora os itens serão lançados em planilha para contabilizar e ordenar as prioridades, que depois serão apresentadas à Prefeitura. A secretária da Subprefeitura do Vila Nova, Elenita Ramos de Souza, explicou aos presentes o processo para pavimentação com lajotas. "A prioridade é para ruas secundárias, onde há pouco fluxo de veículos", disse. Elenita também se comprometeu a conversar com o prefeito, juntamente com os moradores, a respeito da conclusão do binário do Vila Nova. 


quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Casa Enxaimel da Expoville terá agência de turismo receptivo



A partir de março, os turistas que chegarem a Joinville e  também o público local encontrarão na entrada da cidade um novo espaço, onde será possível obter informações sobre a cidade e serviços de lazer e entretenimento. 

A Casa Enxaimel, localizada ao lado do Moinho da Expoville, sediará a Cia. do Turismo Joinville, agência de turismo receptivo que atenderá diariamente, inclusive aos finais de semana. 

“Teremos serviços de van e locação de bicicletas; sugestões de passeios pelas áreas urbana, rural e náutica, inclusive com o acompanhamento de guias capacitados; passeio de trole pelo parque da Expoville; entre outros”, conta uma das sócias da agência, Conceição Junkes. 

Na Casa Enxaimel, que está sendo reformada, o turista também poderá comprar artesanato e lembranças de Joinville. Já a área externa será dedicada às crianças, com a colocação de brinquedos como casinha de bonecas, tirolesa, snack line, piscina de bolinas, brinquedos infláveis e pedalinho no lago da Expoville. 

Para o presidente da Fundação Turística, Sérgio Ferreira, a novidade é mais uma forma de projetar as atrações e, principalmente, promover o turismo interno da cidade. 

“Além de receber bem os visitantes, queremos que o joinvilense descubra as nossas belezas e as atrações. E estamos trabalhando para que, cada vez mais, o público local conheça e aproveite tudo o que as nossas áreas urbana, rural e náutica oferecem. É mais um compromisso cumprido”, finaliza Sérgio. Fonte: Prefeitura de Joinville.

Caminhão tomba na Rodovia do Arroz e rompe rede de água

Mais uma vez um acidente em curva localizada na Rodovia do Arroz, nas proximidades da Estrada do Atalho, já no perímetro urbano do Vila Nova, causa prejuízos aos moradores. Por volta das 4h30 da manhã desta quinta-feira um caminhão que vinha no sentido BR 101-Guaramirim não conseguiu fazer a curva depois da Estrada do Atalho e tombou. Os dois ocupantes do caminhão ficaram feridos e foram conduzidos ao Hospital São José. Carregado com bobinas de aço, na queda o caminhão rompeu a rede de água existente sob o asfalto da rodovia e o trânsito naquele local está em meia pista. Este é o quinto acidente com caminhões no mesmo local nos últimos dois anos.

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Novas oportunidades de emprego



Motorista de caminhão-guincho leve, analista de sistemas (informática), auxiliar de laboratorista de solo e auxiliar de costureira (acabamento) são as novas oportunidades de emprego divulgadas pelo Centro Público de Atendimento aos Trabalhadores (Cepat). O centro também informa as vagas ainda não preenchidas em diversas áreas. Para pessoa com deficiência, há oportunidade para operador de máquinas fixas. Todos os cargos são para os sexos masculino e feminino.

Os interessados devem levar a Carteira de Trabalho, CPF, RG e o CEP de seu endereço até a sede do Cepat, que fica na rua Abdon Batista, 342, perto do Mercado Público. O horário de atendimento é das 8 às 14 horas, mas as senhas são entregues até as 13h30. Os telefones são (47) 3467-0978 e (47) 3437-1471.

Confira a relação completa de vagas AQUI.

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Produção agrícola sente os reflexos das altas temperaturas


Técnicos conferem temperatura de tanques
Nas lagoas de criação de peixes da Fundação 25 de Julho a temperatura é de 32 graus no início da manhã. Na metade do dia chega a picos de 36 graus. O mesmo ocorre nas centenas de viveiros de tilápias e carpas espalhados pela região rural de Joinville. O calor registrado nas últimas semanas coloca em risco a produção de peixes em cativeiro e já começa a atrapalhar também setores da agricultura acostumados com o clima tropical, como o arroz e a banana. E a previsão é esquentar mais. 

Na piscicultura, o problema está relacionado com a temperatura da água e à falta de oxigenação nos viveiros. A principal espécie cultivada em Joinville, a tilápia suporta bem o calor, mas a baixa circulação de água em algumas propriedades e a intensidade do calor começa a provocar a mortandade de peixes. “Normalmente os peixes maiores são os que mais sofrem com a falta de oxigênio”, explica o especialista em piscicultura Roberto Hoppe, gerente da Fundação 25 de Julho. 

Nos últimos dias aumentou a procura por assistência técnica da Fundação 25 de Julho. A orientação de Hoppe para os produtores é que procurem meios de aumentar a circulação de água fresca nas lagoas, aumentando a oxigenação. Outra dica é controlar a alimentação dos peixes. “Com o calor o consumo de ração diminui e se for lançada em excesso esta ração não consumida acaba se deteriorando e contamina a água”, alerta. 

Reflexos na agricultura

Até mesmo as culturas acostumadas com o calor, como o arroz e a banana, começam a sentir os reflexos do período de temperaturas altas. Valério Schiochet, presidente da Fundação 25 de Julho, diz que a preocupação agora é com os resultados na colheita do arroz e na comercialização da banana. “No caso da banana o que ocorre é o amadurecimento precoce dos cachos, o que dificulta a venda do produto, pois para ser comercializada a fruta é precisa sair da propriedade verde”, afirma. 

Na rizicultura, onde o sol e a água são fatores indispensáveis para a produção, o calor em excesso pode comprometer a floração que precede o grão. “Estamos praticamente em época de colheita e neste período a falta de água não prejudica, mas o sol intenso queima a flor e isso compromete os resultados na colheita”, diz Ricardo Werner Plotow, gerente da Fundação. “O tamanho deste prejuízo nós vamos saber daqui a 40 ou 60 dias, quando contabilizarmos os números da safra 2013-2014”, complementa Ricardo.

A preocupação agora é com a previsão para os próximos dias. “Não há perspectivas para a diminuição do calor e precisamos estar preparados para encontrar alternativas a fim de minimizar os impactos na agricultura”, projeta Valério Schiochet. 

Fonte: Prefeitura de Joinville - Foto: Phelipe José