circulando na vila

Bem vindo a este espaço, que se propõe divulgar as principais notícias do Vila Nova e região. Participe, com sugestões, ideias, fotografias...

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Fumaça diminui depois de mudança de estratégia em SFS

Uma mudança de estratégia dos bombeiros conseguiu diminuir, nesta quinta-feira (26), a nuvem de gases que tomou conta de São Francisco do Sul, no litoral norte de Santa Catarina. A fumaça foi provocada por uma combustão química --uma espécie de incêndio sem chamas-- num galpão de fertilizantes, que começou na terça-feira (24) à noite.

A direção do vento, porém, muda rápida e constantemente, tornando imprevisível o alcance da fumaça. Por causa disso, moradores têm se deslocado de um lado para outro para evitar a nuvem, que é tóxica.

Nesta quinta-feira (26) a fumaça causada pela combustão ficou mais esparsa e menos concentrada. Foi da cor amarela para um branco acinzentado.
Para a prefeitura, é "muito difícil" que a nuvem chegue ao litoral de São Paulo, agora que arrefeceu.

No final da tarde, a fumaça tomou o centro da cidade, como uma neblina. O cheiro é semelhante ao de água sanitária. A orientação é que os moradores a evitem e rumem a lugares arejados.

"A mudança é boa. Quer dizer que diminuímos a temperatura e o pH", diz o comandante do Corpo de Bombeiros, Marcos Oliveira. Ainda que Oliveira não tivesse previsão de quando encerrariam o combate, dizia que enfim haviam adotado a estratégia acertada.

Por 40 horas, os bombeiros usaram escavadeiras e destruíram paredes para retirar o material do galpão e acabar com a combustão. Ontem, sob orientação de técnicos da Vale Fertilizantes, descobriram que, na verdade, estavam "alimentando" essa combustão.

A entrada do maquinário trazia novos componentes ao material, que estimulavam a combustão. A abertura de paredes ofertava ar para o processo e aumentava a temperatura do galpão, assim como o incêndio. "Agora, o combate está mais técnico", diz Oliveira.

Sensores térmicos indicam onde estão as áreas mais quentes para uso dos jatos de água. O teto do galpão também foi derrubado, para dar vazão à fumaça.

Até agora, dois bombeiros se feriram, com intoxicação pela fumaça. Um deles permanece internado em estado grave, com os pulmões comprometidos e respirando com auxílio de aparelhos.


Segundo o hospital, porém, seu quadro melhorou nas últimas horas e deve se reverter em alguns dias.

Fonte: Folha de S. Paulo on line

Nenhum comentário: