circulando na vila

Bem vindo a este espaço, que se propõe divulgar as principais notícias do Vila Nova e região. Participe, com sugestões, ideias, fotografias...

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Café colonial no Vila Nova

Enquanto o turismo rural na Estrada Comprida continua como um sonho ainda não realizado pelas famílias da região do Vila Nova, a família Ross mantém a tradição no preparo de seus pães e doces. O Café Rural tem no sabor caseiro seu diferencial: os clientes que entram no estabelecimento têm a impressão de que foram convidados por Sueli e Wilfriedo para lancharem em sua casa.

Tem sido assim desde 2000. Na abertura do portal do Turismo Rural de Joinville, quando autoridades inauguraram aquele que seria o marco inicial de um projeto de favorecimento às famílias do Vila Nova, a família Ross abriu as portas de seu lar para um café comemorativo. “Era só para aquele dia, mas chamou a atenção e as pessoas apareceram querendo tomar café aqui”, lembra Sueli.

O casal investiu e adaptou a garagem de casa. Em agosto daquele ano, o Café Rural teve início – e desde então a ideia tem sido manter a tradição no preparo das iguarias servidas aos clientes. “Fazemos o mais simples possível”, explica a proprietária. Todos os produtores são coloniais, produzidos pela própria família ou por vizinhos, como leite e ovos. Um dos destaques é o kochkaese, o queijinho colonial envelhecido e de sabor característico.

São mais de 50 itens como geleias, cucas, bolachas e pães de queijo. O modo de preparo segue a tradição, no forno a lenha. “Com isso a gente consegue atrair um público variado, gente que provava esses cafés antigamente e gente que gosta de alimentos mais naturais”, analisa Wilfriedo. No verão, famílias que vão para o litoral sempre passam pelo Café Rural para provar as delícias feitas por Sueli.

Fila para comprar

Mas o grande atrativo é mesmo o pão caseiro. A receita não traz nenhum novidade: a diferença está nos ingredientes e no forno a lenha. “Esse preparo deixa nosso pão diferente dos outros, até mesmo na cor. São poucos os lugares da cidade que produzem pão desse jeito”, diz o proprietário.

Para isso, o trabalho da família Ross começa cedo, às cinco da manhã, de segunda a sexta. Por semana são produzidos quase 400 pães, vendidos para mercado de Joinville e servidos no Café Rural. “E tem gente na fila para comprar. Só não fazemos mais porque o forno não comporta a produção”, conta Sueli.

Tanto o pão caseiro como os outros itens servidos no Café Rural estão à venda numa loja à parte. “Geralmente quem come aqui leva alguma coisa, porque percebe como o sabor é diferente e é difícil de encontrar em outro lugar”, conclui Sueli. Só não dá para levar o atendimento, feito pelos próprios donos. “Fazemos questão que todos se sintam bem, como se fossem convidados pra tomar café na nossa casa mesmo”, aponta Wilfriedo.
O Café Rural abre para o público somente no fim de semana. Nos demais dias o atendimento é exclusivo para eventos e feito mediante reserva, mas somente às terças e quintas-feiras. Dessa forma, dizem os donos, não compromete a fabricação dos pães, item obrigatório na mesa nesse café tipicamente colonial. Fonte: NDonline

2 comentários:

elpidiozim disse...

Realmente é de primeira linha. Parabéns à Familia Ross. Tenho frequentado e comprado seus produtos com muito gosto. Precisamos no Vila Nova, muito mais cafés coloniais nesse estilo, porque temos muito a oferecer e mostrar para toda Joinville e Estado.
Elpidio Zimmermann

markinhotdp disse...

Parabéns a família Ross,meus pais ja foram tomar café lá, e gostaram muito.
e também parabens a vc Adilson,que com esses bloggers faz a gente lembrar quantos atrativos temos no nosso bairro.
abração a vc e a família Ross.
e que Deus continue abençoando todos vcs...abração.